ABEFIN

NOSSO BLOG

Os R$ 130 milhões da Mega-Sena rendem mais de R$ 1 milhão/mês; veja como

Por: Henrique Santiago / Site: UOL, em São Paulo

O que fazer com R$ 130 milhões na conta? Essa provavelmente é a primeira pergunta que todo apostador da Mega-Sena se fez nesta semana. Neste sábado (12), o concurso irá pagar o maior prêmio de 2022 para pelo menos uma pessoa que acertar as seis dezenas do jogo.

Para responder a essa pergunta, especialistas do mercado financeiro dão dicas de onde investir para aumentar a renda mensal.

Poupança garante quase R$ 800 mil em um mês

Para Jhon Wine, educador financeiro da Dsop e vice-presidente da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros), a caderneta de poupança é uma modalidade indicada aos interessados em conhecer a área de investimentos.

A rentabilidade da poupança é de 0,61%, segundo divulgado pelo BC (Banco Central) na quinta-feira (10). A aplicação de R$ 130 milhões renderia R$ 793 mil ao mês ao ganhador da Mega-Sena. Mas vale destacar que esses valores oscilam para cima e para baixo conforme a autarquia atualiza as taxas.

Os dados levam em conta a rentabilidade divulgada diariamente pelo BC, e a taxa referencial que voltou a ser acionada após passar o mês de fevereiro congelada.

Embora os ganhos sejam menores quando comparada com a renda fixa, a poupança tem as vantagens de ser isenta do imposto e de renda e de ser resgatada a qualquer momento. “A poupança é o investimento mais popular, mas existem rentabilidades maiores e melhores”, avalia.

Selic e CDB ultrapassam R$ 900 mil

Títulos de renda fixa do Tesouro Direto (emitidos pelo governo federal) são uma pedida de baixo risco para o investidor iniciante, pontua Wine. Entre os mais populares estão o Tesouro Selic, que é vinculado à taxa básica de juros, a Selic, de 10,75% ao ano. Com o rendimento na casa de 0,7%, o prêmio de R$ 130 milhões garante um acréscimo de R$ 910 mil na conta do ganhador.

CDB (Certificado de Depósito Bancário) que rende 100% do CDI (Certificado de Depósito Interbancário) tem a rentabilidade similar à do Tesouro Selic, ou seja, o rendimento mensal seria de R$ 910 mil ao mês — estes e os demais cálculos já descontam a alíquota máxima de Imposto de Renda, de 22,5%.

O especialista acrescenta que os CDBs, assim bem como a poupança, são cobertos em até R$ 250 mil pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito), uma entidade privada que protege depositantes e investidores no âmbito do Sistema Financeiro Nacional. Isso oferece uma garantia para o investidor caso a instituição financeira declare falência.

No caso de títulos públicos, o governo tem de garantir o pagamento a quem investe, não importa a quantia.

Tesouro IPCA rende mais de R$ 1 milhão ao mês

Valter Police, planejador fiduciário da Fiduc, bate na tecla que o investidor precisa diversificar sua carteira de investimentos, ou seja, incluir mais títulos de acordo com sua necessidade. Uma possibilidade é olhar para o Tesouro IPCA, título do governo com prazos longos, atrelado ao desempenho da inflação brasileira, hoje em 10,54% no acumulado de 12 meses.

É indicada principalmente para quem busca uma aposentadoria com maior segurança financeira — uma preocupação válida até mesmo para quem ganha uma bolada na Mega-Sena e talvez não saiba administrar os milhões, conta Police. O governo disponibiliza opções com resgates que vão de 2026 a 2055.

Com rendimento de 1% ao mês, a aplicação de R$ 130 milhões oferece ganhos adicionais de R$ 1,3 milhão. Mesmo com todas essas cifras, Police faz um alerta.

“Os investidores precisam ter uma boa orientação e refletir o seu poderio econômico. Eles devem se preocupar menos com 0,5%, 0,7% ou 1% e se preocupar mais em ter uma segurança financeira para garantir uma vida melhor para si e a própria família”, diz ele.

LCI e LCA: passos para a diversificação

Além dessa gama de títulos Jhon Wine recomenda outras opções menos conhecidas do grande público: o LCI e o LCA, que são letras de crédito para imobiliárias e agronegócio, respectivamente. O rendimento hoje para ambos está em 0,9% ao mês, que garante uma rentabilidade mensal de R$ 1,170 milhão ao investidor.

Duas vantagens de ambos os títulos são a isenção do Imposto de Renda e o favorecimento com alta dos juros. Wine acredita que a compra de títulos voltados para o agro seja mais vantajosa. O prazo de duração varia entre três meses a quatro anos.

“O mercado imobiliário tem sido prejudicado pelo aumento da taxa de juros. Quanto mais sobe, menos projetos vai ter”, conclui.

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Posts Recentes: