ABEFIN

NOSSO BLOG

Educação financeira deve estar na escola desde cedo

Por: Folha de São Paulo

SÃO PAULO Em uma sociedade endividada, aprender a lidar com as finanças pessoais deve começar cedo, afirma Reinaldo Domingos, presidente da Abefin (Associação Brasileira de Profissionais de Educação Financeira). Para ele, a educação financeira é uma ciência humana que precisa de metodologia para ser aplicada e deve ser tratada desde cedo na escola, a partir de recursos lúdicos. “Você ensina sobre o tempo, sobre economia, sobre reduzir gastos para guardar para os sonhos e realizar desejos.”

Em fevereiro de 2022, o percentual de famílias brasileiras com dívidas alcançou o maior patamar desde março de 2010, atingindo 27%, de acordo com números da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo). Paulo Saldaña, repórter da Folha, medeia debate no seminário A Escola do Futuro, promovido pelo jornal – Keiny Andrade/Folhapress

No Mapa da Inadimplência e renegociação de dívidas, do Serasa, 65 milhões de brasileiros estavam inadimplentes no mesmo período. Entre os principais motivos, estão o cartão de crédito (28,6%), seguido pelas contas básicas como água, luz e gás (23,2%). Implementar a educação financeira no currículo escolar foi o tema debatido durante a segunda edição do seminário Escola do Futuro, realizado pela Folha, na quinta (28). Com mediação de Paulo Saldaña, fundador e diretor da Jeduca (Associação de Jornalistas de Educação) e repórter do jornal, o evento foi patrocinado pela Conquista, empresa de soluções educacionais.

Com o lúdico, levamos a criança a ver que o dinheiro é um meio para realizar sonhos Reinaldo Domingos presidente da Abefin “Lidar com o dinheiro exige entendimento do relacionamento social, do contexto socioeconômico e da nossa história”, afirma Ivo Erthal, especialista em formação de professores e gestão de teorias educacionais na Conquista.

A opinião é partilhada por Amanda Dias, orientadora financeira e fundadora do projeto Grana Preta, de educação financeira para pessoas com baixa renda. “Não consigo tratar de educação financeira ignorando questões sociais.’’ Amanda conta que não se via representada nos exemplos usados em formações sobre finanças pessoais que participava.

“Eram muito distantes da minha realidade.” Hoje, ela afirma buscar identificação com o dia a dia de pessoas de baixa renda em seu método de ensino. A educação financeira é um aprendizado constante, envolve escolhas e emoções Wendy Haddad Carraro professora de ciências contábeis da UFRGS “A principal mudança que fiz foi trazer a ideia de que prosperidade é viver bem, sair da lógica de apenas sobreviver e trazer exemplos essencialmente brasileiros.”

Famílias de renda muito baixa (até R$ 1.808,79) são as que mais sofrem com a inflação: em 12 meses, o índice foi de a 10,9%, enquanto o impacto nas famílias de renda alta (maior que R$ 17.764,49) foi de 9,7%. Os dados são do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). Para Rogiene Santos, professora de finanças na Fundação Getulio Vargas, o tema tem de ser tratado de forma interdisciplinar. Ela diz que entender a gestão do dinheiro vai além de ter afinidade com matemática.

O importante é entender a dinâmica do poupar. “Só sobra se o meu gasto é menor do que o meu ganho, colocar isso em números é simples. Na prática, é difícil abrir mão de um benefício hoje para ter outro no futuro.” Assista ao seminário: Reinaldo Domingos, da Abefin, relembra a importância da BNCC (Base Nacional Comum Curricular), implementada nas escolas a partir de 2020, que institui a educação financeira como conteúdo transversal, que atravessa mais de uma disciplina da grade curricular.

Hoje vejo como a educação financeira permitiu que realizasse meus sonhos Rogiene Santos professora de finanças na FGV Para Wendy Haddad Carraro, professora da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e coordenadora do projeto Educação Financeira para Todos e para Toda a Vida, o aprendizado deve ser constante e levar em consideração os diferentes momentos da vida de cada pessoa.

Ela destaca a importância de procurar orientação para quem está em uma situação de endividamento grave. “Procurar uma saída sozinho é praticamente impossível.” Uma das alternativas apontadas por ela é o consumo consciente: “Preciso de tantas peças de roupa? De calçados? O que é suficiente?” CURSOS GRATUITOS PARA APRENDER SOBRE FINANÇAS PESSOAIS Formações online incluem dicas de como organizar o orçamento mensal e de como começar a investir Especialistas falam sobre educação financeira durante seminário Escola do Futuro – Keiny Andrade/Folhapress ​​Educação financeira em tempos de Covid-19 – Projeto vinculado à Universidade Federal do Rio Grande do Sul, o curso, com 25 horas de carga horária, faz parte do Programa Educação Financeira para Todos e para Toda Vida, que reúne materiais de apoio para organizar as finanças pessoais.

Trilha Financeira – Oferecida pelo Descomplica, plataforma de conteúdo educacional, em parceria com o Serasa, a formação apresenta, em sete módulos, conteúdos para quem quer economizar no dia a dia. Finanças Pessoais – Com duração de sete horas, o curso oferecido pela Fundação Bradesco apresenta estratégias para construir e administrar o orçamento pessoal.

Como Gastar Conscientemente – O curso com duração de oito horas, oferecido pela Fundação Getulio Vargas, traz conteúdos e exercícios para os participantes que querem aprender a controlar seus gastos. Gestão de Finanças Pessoais – Desenvolvido pelo Banco Central do Brasil, em parceria com a Escola de Administração Fazendária, o curso de 20 horas de duração apresenta conceitos básicos de gestão e finanças pessoais.​

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Posts Recentes: